terça-feira, 6 de dezembro de 2011

EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA SEGUNDO ANO


 

01.  Considere as seguintes características de determinado animal: hermafroditismo, celomado, pulmão simples, um par de nefrídios, dois pares de tentáculos sensoriais, glândula secretora de muco e rádula.
a) A que filo e classe pertence o animal que apresenta todas as características descritas? Cite um exemplo de animal pertencente a essa classe.
b) Qual é a função do muco secretado pela glândula? Cite uma classe, do mesmo filo, em que essa glândula não existe.

02.  Explique, de maneira comparativa, duas características que permitem considerar moluscos como animais mais complexos que celenterados.

03. Uma estrutura comum no tubo digestivo de várias classes de moluscos é a rádula, que funciona como uma língua raspadora e trituradora de alimentos. Porém, nos bivalves, a rádula está ausente. Por quê?

04.  2 - Citar três características exclusivas dos moluscos.
Existem atualmente cerca de um milhão de espécies de animais. Deste número aproximadamente 5% são vertebrados e os demais invertebrados, Marque V ou F.
(   ) O  sanguessuga pertence ao Filo Annelida, ou seja, são animais metaméricos vermiformes.
(   ) Os escorpiões são aracnídeos, com excreção por túbulos de Malpighi.
(   ) As baratas pertencem ao Filo Arthropoda e apresentam respiração do tipo traqueal.
(   ) As planárias pertencem ao Filo Porifera, com sistema nervoso difuso em forma de rede.

05. Assinale a alternativa que contém uma característica que surgiu entre os anelídeos e foi mantida pelos animais que apareceram mais tarde no processo evolutivo. a) Notocorda
b) Fendas branquiais
c) Mesoderma
d) Simetria bilateral
e) Celoma verdadeiro

06. Cite três características que justifiquem o fato de as minhocas serem mais evoluídas que as planárias.
07. Ausência de órgão respiratório, epiderme delgada, úmida e densamente vascularizada para facilitar as trocas gasosas são características de: a) caracol
b) hidra
c) inseto
d) minhoca
e) ouriço-do-mar
08. Os anelídeos têm em comum: a) o habitat.
b) as ventosas.
c) a segmentação.
d) os parapódios.
e) as cerdas.

09. Critérios anatômicos, fisiológicos e embrionários servem também de base para estabelecer o grau de parentesco entre os seres e Conseqüentemente, sua origem evolutiva. Sendo assim, permitem seu enquadramento nas categorias taxonômicas.

Assinale a opção que NÃO apresenta uma justificativa correta no enquadramento dos Anelídeos como seres mais evoluídos que os Cnidários:

a) O sistema circulatório nos Anelídeos é fechado, enquanto que os Cnidários são desprovidos desse sistema.
b) Os Anelídeos apresentam respiração cutânea indireta (com auxílio de sangu
e), já nos Cnidários, as trocas gasosas se realizam por difusão.
c) Anelídeos são animais triblásticos, enquanto que Cnidários são diblásticos.
d) Presença de tubo digestivo completo em Anelídeos, e incompleto em Cnidários.
e) Presença de sistema nervoso difuso nos Anelídeos, e ganglionar nos Cnidários.
10. a) Dê duas características comuns aos crustáceos, insetos e aracnídeos.
b) Dê uma característica própria de cada um desses grupos.

11.  Indique a classe de Artrópodes mais abundante em ecossistemas lacustres e a mais abundante em ecossistemas marinhos.

12.  No aniversário de uma cidade à beira-mar, um restaurante promoveu um "Festival de Crustáceos": lagosta, camarão, ostra e mexilhão.
Quais desses animais não deveriam estar incluídos no cardápio? Por quê?

13.  Insetos e crustáceos pertencem ao filo Arthropoda. Descreva três características que os diferenciam.

14.  O camarão e a abelha são animais pertencentes ao mesmo filo, embora separados em classes distintas. Cite:

a) duas características que permitam agrupá-los no mesmo filo;
b) duas características que os separam em classes distintas.
15.  Observe o animal desenhado.


a) A que filo e classe ele pertence?
b) Cite duas características, visíveis no desenho, que o distinguem de um inseto.



a) A que classe pertencem os animais citados?
b) Quais as três características de sua morfologia externa que os distinguem dos insetos?




16.  Os animais que conversam na tira abaixo pertencem ao filo dos artrópodes. Apesar de carica¬turas, é possível perceber três características externas que os distinguem de qualquer inseto.

EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA - PRIMEIRO ANO

1. O núcleo é uma estrutura que coordena e comanda todas as funções celulares.
Assinale a(s) proposição(ões) que apresenta(m) relações CORRETAS entre as estruturas nucleares, sua ocorrência e características químicas ou funcionais.
0 0 - Ao observarmos o núcleo interfásico em microscópio óptico, verificamos a total compactação da cromatina, que passa a chamar-se cromossomo.
1 1 - A membrana nuclear apresenta “poros” ou annuli, através dos quais ocorrem importantes trocas de macromoléculas entre núcleo e citoplasma.
2 2 - A carioteca corresponde ao fluido onde estão mergulhados os cromossomos e as estruturas que formam o nucléolo.
3 3 - O nucléolo, mergulhado no nucleoplasma, está sempre presente nas células eucarióticas, podendo haver mais de um por núcleo.
4 4 - O nucléolo é uma região de intensa síntese de RNA ribossômico (RNAr).
5 5 - A cromatina é formada por uma única e longa molécula de RNA, associada a várias moléculas de glicoproteínas.
2 .A argumentação dos pesquisadores que defendem a técnica de Clonagem, divulgada no ano de 1997 com o nascimento da ovelha Dolly na Escócia, está na possibilidade de ser utilizada na cura de doenças hereditárias e facilitar o transplante de órgãos. Sobre esse assunto alguns conhecimentos de citologia e genética são considerados essenciais. Julgue os itens em V ou F.
(    )  - A técnica de clonagem aumenta, acentuadamente, a possibilidade da variabilidade genética.
(    )  - O zigoto e todas as células somáticas derivadas dele são células haplóides.
(    )  -A cromatina sexual é característica distintiva dos machos adultos de mamíferos e representa um cromossomo Y que permanece condensado durante toda a meiose.
(    )  - Durante o processo meiótico os cromossomos homólogos podem trocar segmentos, alterando, assim, sua composição gênica.
3. Julgue os itens:
V OU  F (    ) O espermatozóide + o óvulo formam um zigoto xxy, cujo desenvolvimento determina a síndrome de Klineffelter.
(    )  O espermatozóide + óvulo formam um zigoto xo, cujo desenvolvimento determina a síndrome de Turner.
(    ) A hemofilia é uma doença hereditária, ligada ao cromossomo y e que se caracteriza por predisposição do indivíduo às hemorragias.
(    ) O espermatozóide + o óvulo formam um zigoto xxx, cujo desenvolvimento determina a síndrome de Down.
(    ) O fenômeno de não disjunção de cromossomos sexuais pode ocorrer tanto na espermatogênese como na ovulogênese.
4. .Com relação ao núcleo interfásico:
V OU  F (    )  A cromatina que se encontra desespiralizada é denominada eucromatina;
(    ) Os cromossomos são visíveis como longos filamentos espiralizados e corados por corantes ácidos;
(    ) A heterocramatina compreende a cromatina que permanece constantemente condensada;
(    )  Regiões heterocromáticas devido a sua maior densidade podem ser confundidas com o nucléolo. Nesses casos elas são chamadas de falso nucléolo, cariossomo ou cromocentro;
(    )  Os nucléolos, presentes em toda a intérfase, compreendem sítio de produção de RNA ribossômico e daí serem mais desenvolvidos em células que têm um baixo nível de síntese protéica.
5.  O cariótipo consiste na montagem fotográfica, em seqüência, de cada um dos tipos cromossômicos. Ele nos permite saber qual o número e qual a forma dos cromossomos de uma espécie, bem como estabelece o seu padrão cromossômico normal. A partir da análise da figura abaixo, e em relação a esse estudo, é CORRETO afirmar que:
(    ) o cariótipo é o “quadro cromossômico” das células haplóides de cada espécie.
(    ) na espécie humana, os cromossomos são classificados em 7 grupos, compreendendo 22 pares de cromossomos autossômicos, e mais um par de cromossomos sexuais que, no homem, é XY e, na mulher, XX.
(    ) para a obtenção do cariótipo, são utilizadas células de leucócitos em anáfase meiótica.
(    ). em fetos, normalmente a cariotipagem só deve ser feita quando há real suspeita de algum tipo de alteração cromossômica, já que as técnicas de coleta de material apresentam risco de aborto.
06. A cromatina, sob o aspecto morfológico, é classificada em eucromatina e heterocromatina. Elas se distinguem porque:
 
a) a eucromatina se apresenta condensada durante a mitose e a heterocromatina já se encontra condensada na interfase;  
b) a eucromatina se apresenta condensada na interfase e a heterocromatina, durante a mitose;
c) só a heterocromatina se condensa e a eucromatina não;
d) a eucromatina é Feulgen
positivo e a heterocromatina é Feulgen negativo;
e) a eucromatina é a que ocorre no núcleo a e heterocromatina é a que ocorre no citoplasma.

 
07. Considerando o núcleo interfásico, diferenciar a eucromatina de heterocromatina.

08. O material genético é envolvido por uma membrana, a carioteca. Qual é o aspecto e a origem de tal membrana?

09. Como são classificados os cromossomos, em relação à posição do centrômero?

10. Associe as colunas I e II:

                       COLUNA I                               

1. Filamento unitário, desespirilizado               
e distendido que constitui o cromossomo.      
                                                                  
2. Estrutura relacionada com a
formação        
do nucléolo.                                        

3. Cada um dos elementos duplicados de
um mesmo cromossomo, e que se encontram
unidos pelo centrômero.

4. Estrutura situada na constrição primária
do cromossomo, através da qual este se prende
às fibrilas do fuso acromático.

         COLUNA II

A. Centrômero
B. Cromonema
C. Satélite
D. Cromátides

 
11 A cromatina presente no núcleo interfásico aparece durante a divisão celular com uma organização estrutural diferente, transformando-se nos:
a) cromômetros
b) cromossomos
c) centrômeros
d) cromocentros
e) cromonemas


sábado, 3 de dezembro de 2011

RELAÇÕES ECOLOGICAS - TERCEIRÃO

ATENÇÃO:  PODERÁ SER ENTREGUE DIGITADO

01.Uma população de parasitas e seus hospedeiros estão em interação. Eliminando-se os parasitas, espera-se que a população de hospedeiros:
a) cresça continuamente.
b) entre em declínio e depois permaneça em equilíbrio.
c) cresça até certo limite e depois permaneça em equilíbrio.
d) entre em equilíbrio imediatamente.
e) entre em declínio imediatamente.

02. Duas espécies A e B de protozoários ciliados foram colocadas em um único recipiente. Nesse recipiente, colocou-se, a cada dia, uma quantidade constante de nutrientes adequados.
As contagens diárias do número de indivíduos estão expressas no gráfico adiante:
a) O que ocorreu com cada espécie?
b) Interprete esses resultados a partir do conceito de 'nicho ecológico'.

03. Assinale a alternativa que relaciona um caso de amensalismo:
a) cupins x protozoários flagelados.
b) bactérias x bois.
c) algas Pirrofíceas x peixes.
d) corujas x ratos.
e) orquídeas x árvores.

04. Na opinião de alguns ecologistas, os animais herbívoros que comem sementes devem ser considerados predadores e os que comem folhas devem ser considerados parasitas. Justifique essa classificação.

05. Em determinada região, o pardal foi introduzido para controlar o aumento populacional de um tipo de lagarta. Ele efetuou tal controle com eficiência, mas, com o tempo, o próprio pardal tornou-se uma praga.
a) Que nome se dá à técnica empregada no exemplo anterior?
b) Por que o pardal tornou-se praga?


06. "O fenômeno da maré vermelha ocorre em determinadas condições ambientais. Certas algas marinhas microscópicas de cor avermelhada produzem substâncias altamente tóxicas e, como proliferam intensamente, formam enormes manchas vermelhas no mar. A grande concentração de toxinas produzidas por essas algas provoca grande mortalidade de animais marinhos".

O fenômeno acima descrito constitui uma relação ecológica do tipo
a) mutualismo.
b) competição.
c) predatismo.
d) parasitismo.
e) amensalismo.

07. Considere os seguintes eventos ecológicos:

I. Competição de espécies introduzidas com os consumidores primários nativos.
II. Competição de espécies introduzidas com os consumidores secundários nativos.
III. Extinção de consumidores primários nativos.
IV. Extinção de consumidores secundários nativos.

Qual das alternativas indica os eventos que poderão ocorrer, na seqüência correta, se uma criação de ovelhas for introduzida num campo nativo?
a) I ? II ? III
b) I ? II ? IV
c) I ? III ? IV
d) II ? III ? IV

08. Muitas plantas que possuem nectários florais são bravamente defendidas por formigas que vivem nos seus galhos, alimentando-se do néctar. Essas formigas impedem, por exemplo, que cupins subam nas árvores e se alimentem das folhas.
As relações ecológicas estabelecidas por árvore-formigas e formigas-cupins podem ser denominadas, respectivamente,
a) comensalismo e mutualismo.
b) competição e inquilinismo.
c) inquilinismo e comensalismo.
d) parasitismo e predatismo.
e) protocooperação e competição.

09. Os predadores são eficientes na captura de presas em virtude da presença de adaptações morfofuncionais, tais como:
a) ventosas nas tênias.
b) mau cheiro no gambá.
c) coloração na esperança.
d) cores berrantes nas borboletas.
e) língua comprida no tamanduá.

10. Considere as relações ecológicas e os pares de organismos enumerados a seguir:

I. parasitismo
II. mutualismo
III. comensalismo
IV. predatismo

a) tubarão x peixe-piloto
b) cupim x protozoário
c) árvore x pulgão
d) cobra x sapo

A associação correta é
a) Ia, lIb, IIIc, IVd
b) Ib, IIc, IIId, IVa
c) Ic, IIb, IIIa, IVd
d) Ic, IId, IIIa, IVb

11. Em uma comunidade ocorrem vários tipos de interações entre populações microbianas, plantas e animais. Algumas interações são neutras ou indiferentes; outras são benéficas ou positivas, outras, ainda são prejudiciais. Essas interações positivas e negativas atuam sobre o balanço ecológico dentro da comunidade.
Assinale as afirmações corretas:

I - A relação de mutualismo entre duas espécies indica que ambas se beneficiam pela associação.
II - No predatismo, ocorre prejuízo para a presa, no entanto é importante para o processo de seleção natural.
III - No comensalismo, uma população é beneficiada e a outra não aufere benefícios, nem sofre desvantagens.
IV - No relacionamento de parasitismo, a população parasitária se beneficia e a população hospedeira nunca é prejudicada.

A alternativa que contém as afirmações corretas é:
a) I e IV.
b) I, II, III.
c) II e IV.
d) IV e III.
e) IV.

12. O meio ambiente incapaz de fornecer condições exigidas para a vida (nutrição reprodução e proteção) torna-se impróprio à sobrevivência dos seres vivos, acarretando o desequilíbrio. Um agricultor com problemas de excesso de besouros no seu canavial resolveu introduzir na sua fazenda o sapo-boi, que se alimenta de besouros prejudiciais ao cultivo da cana de açúcar, considerando não existirem na região espécies de animas aptos a devorá-lo. O sapo-boi também se alimenta de insetos destruidores de moscas transmissoras de doenças, prolifera com muita facilidade e vive aproximadamente 40 anos, pondo, em média, 40 mil ovos por ano.
Na sua opinião, o uso do sapo-boi no exemplo acima citado seria:
a) perigoso, pois na região não existem espécies que possam devorá-lo.
b) Inconveniente, pois causaria a eliminação de insetos favoráveis a cultura de cana de açúcar.
c) conveniente, pois causaria a eliminação dos insetos destruidores de moscas transmissoras de doenças.
d) conveniente, uma vez que causaria a eliminação de vespas que se alimentam também de besouros.
e) conveniente, pois na região não existem outras espécies que possam devorá-lo.

13. Um dos maiores problemas encontrados pelos agricultores é a existência de insetos que chegam a destruir lavouras inteiras. Contudo, nem todos os insetos, denominados pragas, são daninhos durante todas as fases do ciclo de vida.
a) COMENTE o papel desempenhado pelas borboletas durante sua fase larval e adulta, em relação ao exposto anteriormente.
b) CITE um inseto que se apresenta como praga desde a fase jovem até a fase adulta do seu ciclo de vida.

14. O que são relações ecológicas desarmônicas.
Cite dois tipos, exemplificando cada caso.

15. São exemplos de relações ecológicas desarmônicas: canibalismo, amensalismo, predatismo e parasitismo. Explique duas dessas relações citadas, exemplificando cada caso.

16. O homem é o único animal que destrói a natureza. O homem é um terrível destruidor.
O que o homem tem feito para se tornar esse "terrível destruidor" ?

17. A relação entre o homem e lombrigas é equivalente à relação observada entre:
a) pássaros anú e bois.
b) orquídeas e árvores.
c) cipó-chumbo e árvores.
d) cupins e flagelados.
e) pássaro-palito e crocodilo.

18. A relação entre o leão e as zebras é equivalente à relação observada entre:
a) pássaros anú e bois.
b) orquídeas e árvores.
c) pássaros e janinhas.
d) cupins e flagelados.
e) pássaro-palito e crocodilo.

19. A atividade de determinados fungos capazes de produzir substâncias antibióticas que inibem o crescimento de populações de bactérias é denominada
a) predatismo.
b) parasitismo.
c) canibalismo.
d) competição.
e) amensalismo.

20. Define-se parasitas como seres que
a) se alimentam dos restos alimentares de outras espécies.
b) matam e comem seres de outras espécies.
c) inibem o crescimento de outras populações produzindo substâncias antibióticas.
d) se nutrem e crescem às custas de seres de outras espécie, sem matá-los a curto prazo.
e) vivem apoiados ou abrigados em seres de outra espécie sem causar grandes prejuízos.

21. Define-se predadores como seres que
a) se alimentam dos restos alimentares de outras espécies.
b) matam e comem seres de outras espécies.
c) inibem o crescimento de outras populações produzindo substâncias antibióticas.
d) se nutrem e crescem às custas de seres de outras espécie, sem matá-los a curto prazo.
e) vivem apoiados ou abrigados em seres de outra espécie sem causar grandes prejuízos.

22. Se duas espécies diferentes ocuparem num mesmo ecossistema o mesmo nicho ecológico, é provável que:
a) se estabeleça entre elas uma relação harmônica.
b) se estabeleça uma competição interespecífica.
c) se estabeleça uma competição intra-específica.
d) uma das espécies seja produtora e a outra, consumidora.
e) uma das espécies ocupe um nível trófico elevado.

23. O tipo de relação existente entre a pulga e o homem é a de:
a) predação
b) competição
c) parasitismo
d) mutualismo
e) comensalismo

24. Os organismos ORQUÍDEAS, BROMÉLIAS, CIPÓ-CHUMBO e LEGUMINOSAS são encontrados, geralmente, envolvidos nas relações ecológicas a seguir, respectivamente:
a) parasitismo, parasitismo, parasitismo, mutualismo.
b) epifitismo, parasitismo, parasitismo, mutualismo.
c) parasitismo, epifitismo, parasitismo, mutualismo.
d) epifitismo, epifitismo, parasitismo, mutualismo.
e) epifitismo, parasitismo, mutualismo, parasitismo.

25. Muitas pessoas confundem plantas epífitas com plantas parasitas. São consideradas como verdadeiras parasitas:
a) orquídeas e erva-de-passarinho.
b) cipó-chumbo e bromélias.
c) orquídeas e bromélias.
d) cipó-chumbo e erva-de-passarinho.
e) cipó-chumbo, erva-de-passsarinho e bromélias.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

2º ANO EXERCÍCIOS PROPOSTOS

1-(UFC-CE) As verminoses ainda acometem uma grande parcela da população, principalmente as de baixa renda. Doenças como ascaridíase e amarelão (ancilostomose) ainda são bastante comuns, principalmente em crianças.
a) Qual a característica comum a essas doenças em relação ao seu modo de contágio?
b) Outras doenças bastante comuns são a teníase e a cisticercose, causadas por vermes do gênero Taenia.
Qual a diferença entre essas duas doenças no que se refere ao contágio e ao local de alojamento do parasita?

2-(PUC-SP) Na tira de quadrinhos, faz-se referência a um verme parasita. Sobre ele, foram feitas cinco afirmações. Assinale a única CORRETA.
a) Trata-se de um nematelminto hermafrodita.
b) Apresenta simetria bilateral, corpo cilíndrico e amplo celoma.
c) Várias espécies desse verme, que utilizam o ser humano como hospedeiro definitivo, têm o porco como hospedeiro intermediário.
d) É o verme causador da esquistossomose no ser humano.
e) Ao ingerir ovos do parasita, o ser humano passa a ser seu hospedeiro intermediário, podendo apresentar cisticercose.


3 (UNIFESP-SP) Acerca da doença conhecida como amarelão (ou ancilostomíase), é correto afirmar que:
a) seu agente causador pertence ao mesmo filo da lombriga (Ascaris lumbricoides), que causa a ascaridíase, e da tênia (Taenia solium), que causa a teníase.
b) no filo do agente causador do amarelão, os organismos são sempre parasitas, uma vez que não possuem cavidade celomática verdadeira.
c) o doente apresenta cor amarela na pele porque o parasita aloja-se nas células hepáticas, produzindo aumento do fígado (hepatomegalia).
d) o ciclo de vida do agente causador é igual ao da lombriga (Ascaris lumbricoides), com a diferença de que as larvas do amarelão penetram ativamente no corpo do hospedeiro.
e) medidas de saneamento só são efetivas no combate à doença se forem eliminados também os hospedeiros intermediários.


4 (UFPE) A esquistossomose observada no Brasil, causada pelo Schistosoma mansoni, é uma doença grave e debilitante. Na fase crônica, ocorre inflamação do fígado e do baço, além da típica ascite (barriga d'água). Na profilaxia dessa doença é importante:
1) construir redes de água e esgoto.
2) exterminar o caramujo hospedeiro.
3) evitar o contato com águas possivelmente infestadas por cercárias.
4) combater as oncosferas e os cisticercos.
Está(ão) correta(s):
a) 1, 2, 3 e 4
b) 2 apenas
c) 1, 2 e 4 apenas
d) 2 e 4 apenas
e) 1, 2 e 3 apenas

5 (MACKENZIE) As verminoses representam um grande problema de saúde, principalmente nos países subdesenvolvidos. A falta de redes de água e de esgoto, de campanhas de esclarecimento público, de higiene pessoal e de programas de combate aos transmissores, leva ao aparecimento de milhares de novos casos na população brasileira.
Dentre as verminoses humanas causadas por nemátodos, citam-se, corretamente,
a) teníase, ascaridíase e ancilostomose.
b) filariose, ancilostomose e ascaridíase.
c) esquistossomose, ascaridíase e ancilostomose.
d) esquistossomose, filariose e oxiurose.
e) teníase, filariose e esquistossomose.


6  (UFG-GO) A Organização Mundial de Saúde recomenda aos seus estados membros que desenvolvam políticas públicas de prevenção e tratamento das parasitoses. Dentre essas políticas, a fiscalização sanitária em abatedouros e açougues promove uma medida de prevenção à
a) filariose.
b) teníase.
c) leishmaniose.
d) esquistossomose.
e) tripanossomíase

 7 (UEL-PR) Nematódeos são animais vermiformes de vida livre ou parasitária, encontrados em plantas e animais, inclusive no homem. Sobre as características presentes em nematódeos, considere as afirmativas a seguir.I. Corpo não-segmentado coberto por cutícula.II. Trato digestório completo.III. Órgãos especializados para circulação.IV. Pseudoceloma.Estão corretas apenas as afirmativas:a) I e III.b) I e IV.c) II e III.d) I, II e IV.e) II, III e IV.


8 (UNIFES-SP) Agentes de saúde pretendem fornecer um curso para moradores em áreas com alta ocorrência de tênias (Taenia solium) e esquistossomos (Schistosoma mansoni). A idéia é prevenir a população das doenças causadas por esses organismos.
a) Em qual das duas situações é necessário alertar a população para o perigo do contágio direto, pessoa-a-pessoa? Justifique.
b) Cite duas medidas -uma para cada doença -que dependem de infraestrutura criada pelo poder público para preveni-las.

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

ECOCONCEITOS - 3º ANO

ECOLOGIA
BIOCENOSE

Ecologia (do grego “oikos", que significa casa, e "logos", estudo, reflexão), é o ramo da biologia que estuda as interações entre os seres vivos e o meio onde vivem, envolvendo a dependência da água, do solo e do ar.
ESPÉCIE - é o conjunto de indivíduos semelhantes (estruturalmente, funcionalmente e bioquimicamente) que se reproduzem naturalmente, originando descendentes férteis.
POPULAÇÃO - é o conjunto de indivíduos de mesma espécie que vivem numa mesma área e num determinado período.
COMUNIDADE OU BIOCENOSE - é o conjunto de populações de diversas espécies que habita uma mesma região num determinado período.
BIÓTOPO
BIÓTOPO

ECOSSISTEMA OU SISTEMA ECOLÓGICO - é o conjunto formado pelo meio ambiente físico ou seja, o BIÓTOPO (formado por fatores abióticos - sem vida - como: solo, água, ar) mais a comunidade (formada por componentes bióticos - seres vivos) que com o meio se relaciona. É a unidade fundamental da Ecologia.

BIOSFERA - é o conjunto de todos os ecossistemas, ou ainda, é toda a área habitada por vida na Terra.

 








A BIOSFERA compreende desde as profundezas subaquáticas (+ ou - 8 Km) passando pela superfície terrestre até + ou - 8 Km de altura na atmosfera.
HABITAT - é o lugar específico onde uma espécie pode ser encontrada, isto é, o seu "ENDEREÇO" dentro do ecossistema.
HABITAT DE CAMELOS E DROMEDÁRIOS

HABITAT DOS URSOS POLARES

NICHO ECOLÓGICO - é o papel que o organismo desempenha no ecossistema, isto é, a "PROFISSÃO" do organismo no ecossistema. 0 nicho informa às custas de que se alimenta, a quem serve de alimento, como se reproduz, etc.
Nicho Ecológico da Onça-Pintada

Comprimento: Até 2,10 m
Peso: Cerca de 110 kg
N° de filhotes: De 1 a 4
Longevidade: 20 anos
Hábito alimentar: Carnívoro; noturno e crepuscular
Alimentação: Queixadas, tamanduás, antas, capivaras, pequenos macacos, 


Fatores abióticos: O conjunto de todos os fatores físicos que podem incidir sobre as comunidades de uma certa região.
Fatores bióticos: Conjunto de todos seres vivos e que interagem uma certa região e que poderão ser chamados de biocenose, comunidade ou de biota.
Cadeia alimentar é a seqüência de organismos que, dentro de um ecossistema, servem de alimento um ao outro.

Na cadeia alimentar, há passagem de alimento - e, portanto, de energia - de um organismo para outro.
Teia Alimentar: Nas teias alimentares, um mesmo animal pode ocupar papéis diferentes, dependendo da cadeia envolvida



 

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

REINO ANIMALIA - FILO PORÍFERA - 2º ANO

PORIFERA

No. ESPÉCIES 5000
HABITAT maioria marinha
SIMETRIA ausente (assimétrico) ou radial
CORPO poros incorrentes (óstio), cavidade interna (espongiocele ou átrio) e ósculo, esqueleto de espículas calcárias, silicosas ou de fibras de espongina
NUTRIÇÃO esponjas filtradoras
EGESTÃO diretamente na água
SISTEMA NERVOSO ausente
REPRODUÇÃO ASSEXUADA brotamento, gêmulas ou regeneração
REPRODUÇÃO SEXUADA esperma originado por coanócitos, ovos por arqueócitos/ coanócitos.
SISTEMÁTICA Classes: Calcarea, Hexactinellida, Demospongiae, Sclerospongiae.
OUTROS arqueócitos, colêncitos, esclerócitos, coanócitos; asconóide, siconóide e leuconóide.


1. Esponjas (Filo Porifera)

Os poríferos ou espongiários (esponjas) constituem-se nos animais menos evoluídos de todos. São multicelulares, mas suas células não formam tecidos bem definidos e muito menos se estruturam em órgãos. A sua constituição é muito simples. Por isso, muitos especialistas preferem distingui-lo dos outros grupos de animais, dividindo o reino Metazoa em dois sub-reinos: O Parazoa (onde se situam os poríferos) e o Eumetazoa (que engloba todos os demais filos).
Os poríferos (do latim porus, ‘poro’, ‘orifício’, e ferre, ‘que transporta’, ‘portador’) são todos de habitat aquático, predominantemente marinhos, vivendo presos às rochas ou outros substratos do fundo do mar ou dos rios. Têm o corpo perfurado por grande número de poros, por onde entra a água (poros inalantes ou óstios) e um único poro grande exalante (o ósculo), pelo qual sai a água de percorrer a cavidade central do corpo.

Os poríferos não possuem sistemas (digestivo, respiratório, nervoso e reprodutor). Eles realizam a digestão intracelular. A respiração e a excreção se fazem por difusão direta entre a água circulante e as sua células.
O corpo de uma esponja apresenta um revestimento esterno de células achatadas — a epiderme —, um revestimento interno com células flageladas e providas de gola ou colarinho, chamadas coanócitos, e uma camada intermediária na qual se encontram células móveis que se deslocam intensamente por meio de pseudópodos — os amebócitos. No mesênquima, pode-se encontrar uma espécie de arcabouço ou silicosas e uma rede de uma proteína específica chamada espongina. Assim, distinguem-se esponjas rígidas (calcárias e silicosas) e esponjas macias (esponjas córneas). Estas últimas, muito usadas no banho, não possuem espículas e a sustentação do corpo é feita tão-somente pela rede de espongina. No mesênquima, além dos amebócitos encontram-se as células formadoras das espículas e células geradoras dos gametas (mas não há "gônodas" propriamente).
A água ambiental penetra na esponja pelos poros inalantes, percorre os canais do corpo e alcança uma grande cavidade central — o átrio ou espongiocele. Os coanócitos revestem o átrio e, em muitos casos, pequenas câmaras que ficam no trajeto dos canais. O agitar dos flagelos dessas células provoca um fluxo de circulação da água, puxando-a de fora para dentro do corpo. Os coanócitos, além disso, retêm as partículas alimentares trazidas pela água e as digerem em vacúolos digestivos. O alimento, total ou parcialmente digerido, é então entregue aos amebócitos do mesênquima, a fim de estes concluam a digestão ou simplesmente o distribuam para todas as outras células. O oxigênio é retido por difusão direta pelas células, da mesma forma como são expelidos os excretas. Estes últimos vão ao exterior arrastados pela água que sai pelo ósculo.
Os poríferos se dividem em três tipos: Áscon (do grego, ‘saco’, ‘odre’), Sícon (do grego sykon, ‘figo’) e Lêucon (do grego leukos, ‘branco’).
1.1. Áscon

A forma primitiva dos espongiários é a de um tubo ou vaso, fixado no substrato. Na extremidade apical aparece uma grande abertura — o ósculo — que serve para a saída da água que continuamente atravessa o corpo da esponja. A parede do corpo é provida de um grande número de poros (daí o nome de porífera), através dos quais penetram água e partículas alimentares.
Nos áscon, bem como nos outros dois tipos, não existem órgão diferenciados, mas, distinguem-se diversos tipos celulares adaptados a determinadas funções. A parede do corpo é formada por duas camadas celulares. A camada mais externa é dermal, de origem ectodérmica, e a mais interna, denominada gastral, tem origem endodérmica. Entre as duas camadas celulares, há um mesênquima gelatinoso. A cavidade central do corpo é chamada átrio ou espongiocela. Nas duas camadas celulares e no mesênquima, encontramos os seguintes tipos celulares:
· Pinacócitos: são células achatadas que, justapostas, formam a camada dermal.
· Coanócitos: são células flageladas e providas de um colarinho, uma formação membranosa que envolve o flagelo. Revestem a cavidade atrial e constituem a camada gastral.
· Porócitos: são células, percorridas por uma perfuração cônica. São estas perfurações dos porócitos que constituem os numerosos poros que ligam o átrio ao meio externo.
· Miócitos: são células alongadas e contrácteis, que formam esfíncter em torno dos poros e do ósculo.
· Amebócitos: células, situadas no mesênquima, que possuem movimento emebóide, realizando várias funções.

1.2. Sícon

Observada externamente, apresenta-se como uma urna alongada, fixada pela extremidade superior, circundado por uma coroa de espículas longas e afiliadas. A superfície do corpo possui numerosas elevações ou papilas, das quais saem pequenas espículas. Entre as papilas aparecem os poros.
Cortada longitudinalmente, apresenta a parede do corpo espessa e com uma série de dobras, formando curtos canais horizontais. Distinguimos dois tipos de canais: inalantes e exalantes. Os primeiros abrem-se na superfície externa e terminam em fundo cego. Os canais exalantes, são internos e desembocam no átrio.
A superfície externa e os canais inalantes são revestidos pela camada dermal, formada por pinacócitos, ficando os coanócitos limitados aos canais exalantes. O mesênquima gelatinoso é bem mais desenvolvido do que no áscon, contém amebócitos e espículas.
1.3. Lêucon

É o tipo mais evoluído, o átrio é reduzido, enquanto a parede do corpo é bastante desenvolvida e percorrida por um complicado sistema de canais e câmaras. Os coanócitos encontram-se revestindo câmaras esféricas, também denominada câmaras vibráteis, interpostas num sistema de canais. Os canais partem dos poros e atingem as câmaras transportando água são denominadas inalantes ou aferentes. Das câmaras saem os canais exalantes ou eferentes que atingem o átrio.
Os coanócitos só aparecem nas câmaras vibráteis. Os pinacócitos revestem a superfície externa, o átrio e os diversos canais. No desenvolvimento do mesênquima encontramos amebócitos e espículas.
1.6. Reprodução

Assexuada: no brotamento formam-se pequenos brotos laterais que se desenvolvem em novos indivíduos, originando as formas coloniais. Na gemulação formam-se agregados de células amebóides indiferenciadas, envoltas por dura camada de espículas justapostas. As gêmulas constituem formas de resist6encia, pois sobrevivem a condições desfavoráveis de seca e/ou frio. Merece destaque a grande capacidade de regeneração de partes danificadas da esponja.
Sexuada: os poríferos são hermafroditas, porém não possuem gônadas. Os gametas, que se formam a partir de amebócitos que sofrem meiose, são lançados no átrio, onde ocorre a fecundação. Cada indivíduo apresenta maturação de óvulos e espermatozóides em épocas diferentes, o que evita a autofecundação. O desenvolvimento é indireto: após a fecundação o zigoto se desenvolve em uma larva livre-natante — anfiblástula — que sai pelo ósculo, fixa-se em um substrato e cresce, originando novo indivíduo.


MEMBRANA PLASMÁTICA E TRANPORTE NA MEMBRANA 1º ANO


A difusão simples consiste na passagem espontânea de moléculas pequenas e/ou lipossolúveis, como as de água, gás carbônico e oxigênio, pela região lipídica da membrana plasmática.
Íons e moléculas maiores e que não são lipossolúveis, como as de glicose, não conseguem atravessar a membrana espontaneamente, ou fazem esse movimento com velocidade muito baixa, em razão de tais propriedades (permeabilidade seletiva). Diante dessas condições, se ligam a proteínas de membrana (permeases) para cumprirem este papel. É importante saber que existem permeases específicas para cada tipo molecular, tal como enzimas, o processo é denominado difusão facilitada.

Difusão simples e difusão facilitada são dois tipos de
transporte passivo, que consiste na passagem de substâncias pela região lipídica da membrana plasmática, de um local de maior concentração para um de menor concentração ou, em outras palavras, a favor do gradiente de concentração. Esse evento tem como finalidade igualá-las, mas sem que haja gasto de energia.

A difusão facilitada é o transporte passivo de substâncias pela membrana plasmática, sem gasto de energia metabólica da célula, permitindo a passagem de substratos (moléculas ou íons) de um meio mais concentrado para um menos concentrado, através da específica mediação de proteínas transportadoras, enzimas carreadoras ou permeases, existentes ao longo da membrana plasmática.


Não é por ser facilitada, que esse tipo de transporte ocorre desordenadamente, sem fluxo ou necessidade celular. As proteínas carreadoras possuem em sua estrutura sítios específicos de ligação conforme o substrato.
A osmose, caracterizada pela difusão de moléculas de água por meio de uma membrana semipermeável de um meio hipotônico (com maior concentração de água) para um hipertônico (menor concentração de água), também é um tipo de transporte passivo.

Osmose é a passagem do solvente de uma região pouco concentrada em soluto para uma mais concentrada em soluto, sem gasto de energia.
Podemos observar este processo quando temperamos uma salada de tomate com sal, por exemplo. Logo após um tempo há o acumulo de uma solução aquosa no recipiente, que é a água que as células perderam para o meio, que estava hipertônico em relação à célula.
Para entendermos a osmose é importante conhecermos os seguintes conceitos:
Solução hipertônica: Solução que está mais concentrada em soluto que o meio;
Solução hipotônica: Solução que está menos concentrada em soluto que o meio;
Solução Isotônica: Quando a concentração de soluto na célula e no meio são iguais


Esses três tipos de difusão são imprescindíveis para a sobrevivência da célula e sua manutenção. Um exemplo é a entrada de gás oxigênio e a saída de gás carbônico de nossas células, feitas por difusão simples.
E ai o que vocês acham? é Osmose ou Difusão/ Dê a sua opinião.

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

TIPOS DE FOLHAS E FRUTOS 2º ANO

ÓRGÃO FOTOSSINTETIZANTE

Órgão fotossintetizante das plantas. Em geral, nasce sobre o caule ou seus ramos e possui estrutura achatada e fina, de modo que o tecido clorofiliano, responsável pela fotossíntese, fica próximo à superfície.
As folhas, embora apresentem grande variedade de formas e tamanhos, são constituídas basicamente de:
Limbo
Laminar e verde, comumente muito delgado;
Pecíolo
Espécie de pedicelo, inserido na base do limbo;
Bainha
Situada na parte inferior do pecíolo.
A base com freqüência desenvolve uma bainha e/ou estípulas. A lâmina foliar caracteriza-se por ser achatada e larga. Tal forma otimiza a captação de luz e gás carbônico.
A lâmina é de grande importância na identificação do vegetal, pois em cada planta apresenta características específicas de forma, tamanho, tipo de margem, ápice, base, ausência ou presença de tricomas, etc. Quanto à forma, os principais tipos de lâmina são: simples (limbo indiviso) e composta (limbo dividido em folíolos).


































FRUTOS E SEMENTES
Os frutos surgem do desenvolvimento dos ovários, geralmente após a fecundação dos óvulos. Em geral, a transformação do ovário em fruta é induzida por hormônios liberados pelos embriões em desenvolvimento. Existem casos, porém, em que ocorre a formação de frutos sem que tenha havido polinização.
Partes do fruto

Um fruto é constituído por duas partes principais: o pericarpo, resultante do desenvolvimento das paredes do ovário, e as sementes, resultantes do desenvolvimento dos óvulos fecundados.

O pericarpo compõe-se de três camadas: epicarpo (camada mais externa), mesocarpo (camada intermediária) e endocarpo (camada mais interna). Em geral o mesocarpo é a parte do fruto que mais se desenvolve, sintetizando e acumulando substâncias nutritivas, principalmente açucares












CLASSIFICAÇÃO DOS FRUTOS
Diversas características são utilizadas para se classificar os frutos, entre elas o tipo de pericarpo, se o fruto abre-se ou não espontaneamente para liberar as sementes, etc.
Frutos que apresentam pericarpo suculento são denominados carnosos e podem ser do tipo baga, quando se originam de ovários uni ou multicarpelares com sementes livres (ex.: tomate, abóbora, uma e laranja), ou do tipo drupa, quando se originam de ovários unicarpelares, com sementes aderidas ao endocarpo duro (ex.: azeitona, pêssego, ameixa e amêndoa).
Frutos que apresentam endocarpo não suculento são chamados de secos e podem ser deiscentes, quando se abrem ao amadurecer, liberando suas sementes, ou indeiscentes, quando não se abrem ao se tornar maduros.














A DIFERENÇA DE FRUTA E FRUTO
O que se conhece popularmente por “frutas” não tem significado botânico. Fruta é aquilo que tem sabor agradável, às vezes azedo, às vezes doce. É o caso da laranja, pêssego, caju, banana, pêra, maça, morango, amora. Note que nem toda fruta é fruto verdadeiro.
Já o tomate, a berinjela, o jiló e a abobrinha, entre outros, são frutos verdadeiros, mas não são frutas.

PSEUDOFRUTOS E FRUTOS PARTENOCÁRPICOS
Nos pseudofrutos a porção comestível não corresponde ao ovário desenvolvido. No caju, ocorre hipertrofia do pedúnculo floral. Na maça, na pêra e no morango, é o receptáculo floral que se desenvolve.

Assim, ao comer a polpa de um abacate ou de uma manga você está se alimentando do fruto verdadeiro. No entanto, ao saborear um caju ou uma maça, você está mastigando o pseudofruto.
No caso da banana e da laranja de umbigo (baiana), o fruto é partenocárpico, corresponde ao ovário desenvolvido sem fecundação, logo, sem sementes.























OBS: MATERIAL RETIRADO DO SITE http://www.sobiologia.com.br/